Pular para o conteúdo principal

Entre a água, o infinito e o ar






 O significado etimológico de Filosofia é "amor a sabedoria". A concepção de filosofia para a maioria dos estudiosos conclui numa explicação do mundo que utiliza um método racional-especulativo, desde então, o termo filosofia tem valido com frequência como "procurar a sabedoria". 

Considera-se que o pensamento filosófico, em sua totalidade, de fato ocorreu ao homem quando este passou a entender as diversas realidades de forma racional. O primeiro que se dispôs a pensar de tal forma foi Tales de Mileto. Ele propôs, embora de maneira errada, a questão do principio primordial afirmando que este seria a água. para chegar a essa constatação ele partiu da convicção de que "(...) o alimento e todas as coisas é úmido, e que até mesmo o quente é gerado do úmido e vive no úmido (...)". Mesmo que empreendido de maneira errada o seu monismo rudimentar baseou-se na observação e no raciocínio.

A mesma questão também foi pensada por seus discípulos Anaximandro e Anaxímenes. O primeiro afirmou que o principio, usando o termo arché, era o infinito. De maneira mais sábia que seu mestre Anaximandro usou o termo ápeiron (sem limites) para indicar a mistura que originou todas as coisas. Essa mistura surgiria do efeito de oposição entre forças antagônicas. já para Anaxímenes, o principio primordial estaria no ar, ao observar que todos os elementos derivam do ar e que este, assim como o infinito, também não teria limites. Há de se verificar um retrocesso do pensamento de Anaximandro para Anaxímenes o que permite exemplificar como as ideias pensadas evoluem de maneira não linear.

A compreensão da realidade ainda está em fase de construção, ou melhor, sempre estará. Analisando os problemas bases da filosofia e suas respectivas soluções propostas na ordem cronológica, percebe-se seus altos e baixos e se confirma a tese de que nem toda conclusão embasada em raciocino está certa. Mas isso é coisa besta não? Todos já sabem...







...

Comentários

  1. Bom saber que existem mulheres que pensam filosofia - e escrevem sobre ela - por aqui (Feira de Santana).
    Venho me debruçando de quando em vez nas leituras de filosofia, desde o 1º semestre do curso de Letras, em "Estudos Filosóficos I". Há anos atrás...
    Minha paixão por ela (filosofia) começou com "O Mundo de Sofia". Depois fui p/ "O que é filosofia", de Chauí. Comprei recentemente "Antologia ilustrada de Filosofia", mas não estou achando interessante. Pouco aprundado, quase que aforismos filosóficos. Mas os dois primeiros que citei são ótimos, não sei se você os leu...
    Abraço, Bianca.
    Voltarei mais vezes.

    ResponderExcluir
  2. Olá Weslley,

    Eu já li a "Antologia ilustrada de Filosofia" e gostei muito. Quanto a esses outros dois eu já ouvi falar bastante mas nunca me interessei. O melhor mesmo é se debruçar sobre a obra de algum filósofo mas isso é algo bastante minucioso, exige tempo e dedicação, infelizmente nunca pude fazer nada desse tipo.

    A propósito, fico contente em saber que alguém visita este blog,

    []'s

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Minha herança

Talvez eu nem mesmo tenha filhos, mas se os tiver guardo coisas que marcaram minha infância pra que eles possam ver. Sem muita presunção de querer provar como “as coisas no meu tempo eram melhores”, meus avós também dizem a mesma coisa e no fim esse sempre será o comentário que vai acompanhar as histórias alegres de infância de qualquer adulto. Como hoje é dia das crianças, estava lembrando desse meu hábito. Todas as coisas que seguem na lista abaixo tem uma história comigo, não pretendo contá-las por inteiro mas todas elas arrancaram sorrisos de mim e considero incríveis até hoje. O engraçado é que hoje eu olho as coisas, julgo elas como boas ou ruins mas naquela época nenhum conceito de qualidade era levado em consideração ainda assim tudo isso contribuiu pra o que me tornei. Não descrevi nem a metade de todas as coisas que se dividem entre um porta cd, uma gaveta e uma caixinha cheia de quinquilharias que to guardando para fazer minha herança...




1. Chaves

Assisto isso desde que m…

Rita

Existe um limite entre aquilo que se é e aquilo que se vê. Avatares são sempre bonitos e mesmo assim Rita era daquelas que se espremiam no mundo como se ali não houvesse lugar pra ela.

Ela era tola, feia, pequena e não fazia parte do seleto grupo de pessoas que nascem com a bunda virada pra lua. Descobriu isso no dia em que conheceu seu pai. Senhor polido, classe média alta. Na verdade um velho barrigudo e miserável que tinha no dinheiro toda a auto afirmação necessária para justificar seu comportamento egoísta.
Aquele velho olhara pra ela com cara de desapontamento. Se Rita tivesse cara de rica provavelmente teria ganho um abraço e um cheque com dinheiro pra pagar suas dívidas. Mas Rita era preta, cabelo duro e nariz de taboca.   Difícil acreditar que alguém como ela era filha do senhor polido, velho barrigudo, também preto e com nariz de taboca, porém rico.
Rita era daquelas que acreditavam nos princípios fundamentais: amor, esperança, felicidade... Mal sabia ela que riqueza provenien…

Eu já tenho Religião (folheto de crente que recebi hoje)

"Num de seus espetáculos de circo, Mazzaropi, o comediante, pôs-se a ensinar como chegar à lua. Ele dizia que em uma noite de lua cheia bastava pegar alguns bambus bem grandes, emendá-los e assim chegaríamos lá. É lógico que todos riam de sua inocência. 
Mas o que esta estória tem a ver com religião? A ingenuidade. Muitos religiosos são tão ingenuos quanto aquela criança que tenta alcançar a lua com varas de bambu.  Eles pensam que podem chegar até Deus acendendo velas, através de rituais ou ídolos inanimados...."