Pular para o conteúdo principal

Minha herança







Talvez eu nem mesmo tenha filhos, mas se os tiver guardo coisas que marcaram minha infância pra que eles possam ver. Sem muita presunção de querer provar como “as coisas no meu tempo eram melhores”, meus avós também dizem a mesma coisa e no fim esse sempre será o comentário que vai acompanhar as histórias alegres de infância de qualquer adulto. Como hoje é dia das crianças, estava lembrando desse meu hábito. Todas as coisas que seguem na lista abaixo tem uma história comigo, não pretendo contá-las por inteiro mas todas elas arrancaram sorrisos de mim e considero incríveis até hoje. O engraçado é que hoje eu olho as coisas, julgo elas como boas ou ruins mas naquela época nenhum conceito de qualidade era levado em consideração ainda assim tudo isso contribuiu pra o que me tornei. Não descrevi nem a metade de todas as coisas que se dividem entre um porta cd, uma gaveta e uma caixinha cheia de quinquilharias que to guardando para fazer minha herança...





1. Chaves

Assisto isso desde que me entendo por gente. É na minha opinião um dos melhores programas da televisão. Chaves me lembra Diógenes em seu Barril. Há algo de muito interessante naquela vila, o modo como todo mundo é simples o modo como a vida ali é simples.



2. A viagem de Chihiro

É um dos melhores filmes que já assisti. tem uma história de aventura: a menina que se perde num mundo de sonhos passa por apuros enfrenta seu mesos e faz vários amigos.


3. A árvore que dava dinheiro

Um livro de Domingos Pellegrini que ganhei  aos 10 anos, na escola onde estudava, desde então já o li várias vezes. Conta a história de uma cidade pobre do interior, chamada Felicidade, transformada pela descoberta de uma árvore que tem como fruto o dinheiro. 



4. Achim da Branca de Neve

Tenho ele desde os dois anos e considero meu amuleto da sorte (coisa mais besta essa de acreditar em sorte proveniente da companhia de um chaveiro).  



5. Dragon Ball (primeiros episódios)

Um dos melhores animes, um dos melhores mangás... Eu lembro que os primeiros episódios onde Goku era um menininho Bulma uma adolescente High-Tech e por assim vai... Lembra a melhor época da minha vida.



6. Tangram

Quando comecei a brincar com ele devia ter uns oito anos, hoje em dia a única imagem que lembro é a dessa raposa na foto. É um brinquedo tão simples e dizem que dá pra fazer mais 2000 formas diferentes. 





7. Tonati no Totoro 

 Me identifico com a Mei e a Satsuki. O filme mais fofo que já vi, uma história sutil sem expressar muitos dramas mas depois de grande ela já conseguiu arrancar algumas lágrimas de mim.




8. A história sem fim (filme)

Passava sempre na Sessão da Tarde, lembro de já ter ter sonhado algumas vezes com o dragão voador o Falco. Nunca li o livro que originou esse filme nem assisti aos demais talvez um dia eu faça isso.





9. Ludo

Não é o melhor jogo do mundo mas foi o que mais joguei. Acho que é de origem indiana e o objetivo é simplesmente chegar primeiro na torre. 





10. Pôster de Sakura 

Aos 9 anos de idade era meu anime preferido. Quando eu comprei esse poster comecei a fazer uma das coisas que mais gostava: desenhar. Houve uma época em que eu lembrava o traço da Sakura e conseguia desenhar em várias posições sem olhar. 











...

Comentários

  1. O livro "A árvore que dava dinheiro" também me marcou muito! Eu adorava reler esse livro. Pena que na minha escola ele não foi distribuído, ficou somente fazendo parte do acervo da sala de leitura. Onde será que consigo encontrá-lo?

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Oi Jaci quanto tempo... Vc visita meu blog \o/
    Se não me engano já vi esse livro na Saraiva, e era bem barato por sinal, mas faz um bom tempo já.

    []'s

    ResponderExcluir
  3. Oi, Bianca...
    A infância sempre fertiliza nossas imaginações de adultos.
    Desses elementos de infância listados por vc, é comum a mim o ludo e Chaves. O desenho que eu não perdia era Cavaleiros do Zodíaco e o programa TV Colosso.
    Falando de criança, gostaria de que vc desse uma olhada nesses pequenos textos sobre elas, lá no meu blog, Le-Tranças: http://letrancas.blogspot.com/2011/05/coisas-de-crianca.html
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Bi,

    Olha, demorei pra te ler, eu sei.
    Qem perdeu fui eu! Tô amanhdo teu jeito de escrever!
    Tb lembro do Diógenes ao ver o Chaves, a escola dos Cínicos pregava mesmo o desapego.
    Dentre essas coisas, várias tem aqui em casa, como presentes que fui dando ao GUI: tangran, ludo, o filme A viagem de Chiriho.
    Minha infância não teve "cultura assim". O mais próximo que cheguei foi ler gibis e depois dos 10 anos frequentar a Biblioteca Monteiro Lobato.
    Adorei a tua herança!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Eu já tenho Religião (folheto de crente que recebi hoje)

"Num de seus espetáculos de circo, Mazzaropi, o comediante, pôs-se a ensinar como chegar à lua. Ele dizia que em uma noite de lua cheia bastava pegar alguns bambus bem grandes, emendá-los e assim chegaríamos lá. É lógico que todos riam de sua inocência. 
Mas o que esta estória tem a ver com religião? A ingenuidade. Muitos religiosos são tão ingenuos quanto aquela criança que tenta alcançar a lua com varas de bambu.  Eles pensam que podem chegar até Deus acendendo velas, através de rituais ou ídolos inanimados...."





Rita

Existe um limite entre aquilo que se é e aquilo que se vê. Avatares são sempre bonitos e mesmo assim Rita era daquelas que se espremiam no mundo como se ali não houvesse lugar pra ela.

Ela era tola, feia, pequena e não fazia parte do seleto grupo de pessoas que nascem com a bunda virada pra lua. Descobriu isso no dia em que conheceu seu pai. Senhor polido, classe média alta. Na verdade um velho barrigudo e miserável que tinha no dinheiro toda a auto afirmação necessária para justificar seu comportamento egoísta.
Aquele velho olhara pra ela com cara de desapontamento. Se Rita tivesse cara de rica provavelmente teria ganho um abraço e um cheque com dinheiro pra pagar suas dívidas. Mas Rita era preta, cabelo duro e nariz de taboca.   Difícil acreditar que alguém como ela era filha do senhor polido, velho barrigudo, também preto e com nariz de taboca, porém rico.
Rita era daquelas que acreditavam nos princípios fundamentais: amor, esperança, felicidade... Mal sabia ela que riqueza provenien…