Pular para o conteúdo principal

Eleanor Rigby





Havia muita coisa a se perguntar embora nada de concreto para esperar. E na falta de alguma coisa mais interessante a se fazer, continuava a se perguntar. Perguntava-se sobre tudo e encontrava na imaginação  todas as respostas que lhe convinha. Ficava assim, satisfeita com a vida, mesmo tendo a certeza de que os motivos que lhe deixava tão satisfeita eram apenas meras ilusões. Ainda assim, era mesmo melhor se satisfazer em vez de se martirizar. 

Todas as vezes que olhava pela janela a rua. Todas aquelas pessoas vivendo... A certeza de que a felicidade alcança até um moribundo. A certeza de que a felicidade nunca a alcançaria. Voltava aquela antiga sensação de que a vida passava enquanto continuava ali, parada imaginando como as coisas seriam se não houvessem todos os empecilhos existentes. Mas mesmo tendo frustrações era preciso lutar, agarrar-se a qualquer fio de vida existente. E chorando lembrava-se de todas aquelas palavras: "você tem toda uma vida pela frente". E chorando esfregava o chão. Por um segundo utilizava todas as suas forças. A verdade era por vezes confundida com  sujeira. Era preciso eliminá-la a qualquer custo. 

O que fazer quando não há nada a se fazer? Conformar-se talvez mas a consciência nunca a deixaria em paz, não sabendo que nem ao mesmo conseguiria repetir a história de seus pais. O ser humano nasce, cresce, reproduz e morre... Vinha a tona todas aquelas antigas lições. De fato, as vidas sempre são repetições umas das outras. Diferenças milimétricas são o que as diferenciam. Mas para aqueles cujo o mundo não parece belo a insignificância e anormalidade são os acompanhantes mais fiéis. Odiava tudo aquilo com todas as suas forças, sentia ânsia, e depois sentia ódio de si mesma por repugnar aquelas pessoas a quem tanto devia. 

Era preciso pensar pra não agir e agir pra não pensar. Pensar pra não fazer besteiras. Como se viver já não fosse optar por fazer besteiras involuntárias. Era preciso pensar em alguma coisa. Por mais sórdido que esse pensamento fosse lhe traria um pouco de paz. Seu corpo tornara-se um campo de batalhas. "É possível que se resigne o viver apenas pelo medo da morte?"  Não era mais uma questão de honra vingar-se de Deus. Ia ao inferno e voltava logo em seguida. 






"No one was saved"
















...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Minha herança

Talvez eu nem mesmo tenha filhos, mas se os tiver guardo coisas que marcaram minha infância pra que eles possam ver. Sem muita presunção de querer provar como “as coisas no meu tempo eram melhores”, meus avós também dizem a mesma coisa e no fim esse sempre será o comentário que vai acompanhar as histórias alegres de infância de qualquer adulto. Como hoje é dia das crianças, estava lembrando desse meu hábito. Todas as coisas que seguem na lista abaixo tem uma história comigo, não pretendo contá-las por inteiro mas todas elas arrancaram sorrisos de mim e considero incríveis até hoje. O engraçado é que hoje eu olho as coisas, julgo elas como boas ou ruins mas naquela época nenhum conceito de qualidade era levado em consideração ainda assim tudo isso contribuiu pra o que me tornei. Não descrevi nem a metade de todas as coisas que se dividem entre um porta cd, uma gaveta e uma caixinha cheia de quinquilharias que to guardando para fazer minha herança...




1. Chaves

Assisto isso desde que m…

Eu já tenho Religião (folheto de crente que recebi hoje)

"Num de seus espetáculos de circo, Mazzaropi, o comediante, pôs-se a ensinar como chegar à lua. Ele dizia que em uma noite de lua cheia bastava pegar alguns bambus bem grandes, emendá-los e assim chegaríamos lá. É lógico que todos riam de sua inocência. 
Mas o que esta estória tem a ver com religião? A ingenuidade. Muitos religiosos são tão ingenuos quanto aquela criança que tenta alcançar a lua com varas de bambu.  Eles pensam que podem chegar até Deus acendendo velas, através de rituais ou ídolos inanimados...."





Rita

Existe um limite entre aquilo que se é e aquilo que se vê. Avatares são sempre bonitos e mesmo assim Rita era daquelas que se espremiam no mundo como se ali não houvesse lugar pra ela.

Ela era tola, feia, pequena e não fazia parte do seleto grupo de pessoas que nascem com a bunda virada pra lua. Descobriu isso no dia em que conheceu seu pai. Senhor polido, classe média alta. Na verdade um velho barrigudo e miserável que tinha no dinheiro toda a auto afirmação necessária para justificar seu comportamento egoísta.
Aquele velho olhara pra ela com cara de desapontamento. Se Rita tivesse cara de rica provavelmente teria ganho um abraço e um cheque com dinheiro pra pagar suas dívidas. Mas Rita era preta, cabelo duro e nariz de taboca.   Difícil acreditar que alguém como ela era filha do senhor polido, velho barrigudo, também preto e com nariz de taboca, porém rico.
Rita era daquelas que acreditavam nos princípios fundamentais: amor, esperança, felicidade... Mal sabia ela que riqueza provenien…