Pular para o conteúdo principal

Mironga (Eu não sei)






Para todos aqueles cuja vida não teve sua ordem alterada eu digo que existem pessoas que vivem com aparente ânimo embora carreguem no peito uma grande tristeza. Eu conheci poucas pessoas assim, mas pude notar algumas semelhanças entre elas. A principal semelhança é a capacidade de descobrir tal característica a partir do olhar. Toda vez que pessoas desse grupo se descobrem, sentem uma sensação de conforto incrível e não é necessário trocar uma única palavra para que tal sensação apareça. 

O que chamo de tristeza aqui é uma espécie de fardo que não permite a pessoa olhar outra, que não seja desse grupo, e se sentir igual. Não falo de preconceito, doença mental ou física e nem mesmo de pertencer a um grupo excluído da sociedade, falo do fardo que vejo nas costas de algumas pessoas. Se você não carrega esse fardo, nunca será capaz de entender o que ele é. 

Recentemente conheci um homem assim, desde que percebi essa característica venho analisando suas atitudes e ele tem chamado minha atenção por conseguir não ligar para isso. Eu demorei bastante tempo pra entender como ele pode fazer de uma coisa tão pesada algo tão leve, o fato é que ele é um ser humano extremamente lindo embora use de quase todas as formas possíveis para se dar bem na vida, no entanto, é muito honesto. Ele consegue esconder sua dor de maneira tão convincente que até outro dia eu achava que o prêmio de melhor fingidor deveria vir para mim. Hoje vejo que fui desbancada e sinto inveja por isso. 

Logo que o conheci eu achava que todas as suas atitudes eram características de alguém cuja capacidade intelectual não conseguiu ultrapassar a de um moleque de 13 anos. Todo o seu discurso baseado em originalidade e individualidade como forma de expressão me pareciam batidos. Desde que conheci um autor que dizia que os seres humanos são quase todos iguais possuindo apenas milimétricas diferenças desacreditei totalmente no discurso da originalidade. Mas o fato é que se isso ainda está presente nos ideais transmitidos aos pré-adolescentes é porque se faz necessário como forma de alienação juvenil, assim como é necessário o ensino das “sete palavrinhas mágicas” as crianças mais novas. Todo mundo sempre esquece ou desacredita nessas coisas depois de algum tempo, mas esse cara não. Ele conseguiu fazer disso uma maneira confortável de viver. 

Ultimamente eu tenho analisado como alguns princípios são descartados ao longo da vida, desde a crença num entidade divina até a necessidade de não pisar no pé do coleguinha. Descobri que para pessoas do grupo em questão, essas crenças nunca morrem. São conservadoras, simples, e de alguma forma religiosas. São muito inteligentes também, não necessariamente pra tirar notas boas, mas sim em sua percepção da vida.  Eu me pergunto por vezes se essas características agravam a situação? Desde que eu comecei a analisar este cara eu vejo que todas as coisas podem ser subvertidas, inclusive o conservadorismo, mas não uso a subversão como algo ruim aqui. O peso simplesmente cabe a quem quer carregá-lo. Se tem uma coisa que ele tá me ensinando, é que é preciso por pouca coisa na mala, que quanto mais leve o peso mais alto o salto. Um dia eu chego lá... 





...

Comentários

  1. Texto profundo. A história do fardo é real em seus minims detalhes, o não desacreditar é incrivelmente lindo e sou totalmente adepto desse carregar pouca coisa na mala, tem muito haver com o ser livre. E um dia CHEGAMOS lá \o/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Minha herança

Talvez eu nem mesmo tenha filhos, mas se os tiver guardo coisas que marcaram minha infância pra que eles possam ver. Sem muita presunção de querer provar como “as coisas no meu tempo eram melhores”, meus avós também dizem a mesma coisa e no fim esse sempre será o comentário que vai acompanhar as histórias alegres de infância de qualquer adulto. Como hoje é dia das crianças, estava lembrando desse meu hábito. Todas as coisas que seguem na lista abaixo tem uma história comigo, não pretendo contá-las por inteiro mas todas elas arrancaram sorrisos de mim e considero incríveis até hoje. O engraçado é que hoje eu olho as coisas, julgo elas como boas ou ruins mas naquela época nenhum conceito de qualidade era levado em consideração ainda assim tudo isso contribuiu pra o que me tornei. Não descrevi nem a metade de todas as coisas que se dividem entre um porta cd, uma gaveta e uma caixinha cheia de quinquilharias que to guardando para fazer minha herança...




1. Chaves

Assisto isso desde que m…

Eu já tenho Religião (folheto de crente que recebi hoje)

"Num de seus espetáculos de circo, Mazzaropi, o comediante, pôs-se a ensinar como chegar à lua. Ele dizia que em uma noite de lua cheia bastava pegar alguns bambus bem grandes, emendá-los e assim chegaríamos lá. É lógico que todos riam de sua inocência. 
Mas o que esta estória tem a ver com religião? A ingenuidade. Muitos religiosos são tão ingenuos quanto aquela criança que tenta alcançar a lua com varas de bambu.  Eles pensam que podem chegar até Deus acendendo velas, através de rituais ou ídolos inanimados...."





Rita

Existe um limite entre aquilo que se é e aquilo que se vê. Avatares são sempre bonitos e mesmo assim Rita era daquelas que se espremiam no mundo como se ali não houvesse lugar pra ela.

Ela era tola, feia, pequena e não fazia parte do seleto grupo de pessoas que nascem com a bunda virada pra lua. Descobriu isso no dia em que conheceu seu pai. Senhor polido, classe média alta. Na verdade um velho barrigudo e miserável que tinha no dinheiro toda a auto afirmação necessária para justificar seu comportamento egoísta.
Aquele velho olhara pra ela com cara de desapontamento. Se Rita tivesse cara de rica provavelmente teria ganho um abraço e um cheque com dinheiro pra pagar suas dívidas. Mas Rita era preta, cabelo duro e nariz de taboca.   Difícil acreditar que alguém como ela era filha do senhor polido, velho barrigudo, também preto e com nariz de taboca, porém rico.
Rita era daquelas que acreditavam nos princípios fundamentais: amor, esperança, felicidade... Mal sabia ela que riqueza provenien…